Pular para o conteúdo principal

A espiritualidade da natureza


 A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas. 
A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc.
A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração.
Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil. 
A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face sul dessa imensa América. Semeou e se extendeu por praticamente toda a faixa litoranea do Brasil. E é uma das matrizes que formam o povo brasileiro. Foi essa mesma matriz que em épocas remotas trouxe a uma visão de mundo e a registrou em cânticos sagrados. Orações cantadas em clareiras de florestas.  Foi o modo como encontraram de expressar a espiritualidade.
O livro O Trovão e o Vento situa historicamente e antropologicamente a origem dessa tradição para depois expor a base de sua filosofia devocional, cuja crença maior é justamente no Amor que amalgama todas as vidas, sendo a essencia universal que permeia a diversidade de formas de vida. 
Traz a natureza para um lugar de destaque. Para um lugar de profundo respeito e consideração. Coloca o ecossistema como um portal sagrado por onde toda a vida é suprida e também vivificada. Motivo pelo qual devemos no mínimo louvores á ela. 
Para os antigos sábios desta tradição, o divino se expressa através da paisagem, dos animais, dos relevos, dos frutos, e inclusive do próprio Homem; em um encadeamento de relações sincronicas e harmônicas, de tal modo sintonizado, que só nos resta acolher com o coração em profunda reverencia, o sagrado mistério da Vida. 

 O trovão e o vento representa simbolicamente o nosso aspecto criador e a nossa essencia vibrante, que inspira e expira de um modo precioso o maior poder que somos.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena