Pular para o conteúdo principal

CURSO: O SONHO COMO UM SISTEMA DE AUTOCONHECIMENTO

Neste momento de crise social e de transformação planetária muitos de nós abandonamos o poder de ousar sonhar novas realidades, realizações e possibilidades. Este módulo de quatro encontros tem como proposta apresentar um conhecimento e um sistema de práticas sobre os estados de sono, sonho e vigília que tem sua origem em sabedorias ancestrais.
Passamos um terço de nossas vidas dormindo. No entanto podemos usar este estado á nosso favor e de várias maneiras. Podemos utilizar o sonho para nos curar, para liberar obstáculos inconscientes que travam o fluxo de nossas vidas, e também para nos conhecermos melhor e mais profundamente.
Algumas culturas indígenas do Brasil obtiveram grandes conhecimentos através do domínio dos sonhos. O budismo tibetano desenvolveu um complexo sistema meditativo utilizando o sonho como uma estratégia para o autoconhecimento, auto-liderança e iluminação
Programa:
·         Os três estados da consciência: inconsciente, consciente e supra-consciente     segundo os Kahuna e a tradição Tupy. 
·         As quatro dimensões do sonho segundo a tradição Tupy
·         Os sonhos de cura e purificação segundo os Krahô.
·         Os sonhos lúcidos segundo a tradição tibetana 
·         Práticas meditativas entre o sono e o sonho para autocura e integração consciencional.
·         Os sonhos lúcidos para liberar crenças limitantes e obstáculos subconsciente

·         O sonho lúcido para realização de um projeto.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…