Pular para o conteúdo principal

UM TERAPEUTA SOCIAL

Na década de 1980 dediquei minha vida a ações sociais voluntárias com o povo guarani de São Paulo. Com o tempo e a experiência adquirida, elas evoluíram de um relacionamento de prestação de assistência para o empreendedorismo social e a geração de renda e qualidade de vida em comunidades, atuando em regiões específicas do estado do Paraná e no litoral paulista. Foram ações envolvendo levantamento de necessidades em áreas indígenas com a participação e definição de prioridades realizadas pelas lideranças das aldeias,  e meu papel era de buscar apoio entre pessoas e instituições sensibilizadas com a causa e com a proposta não-assistencialista, mas com foco de gerar sustentabilidade. Neste processo tornei-me empreendedor social reconhecido pela Ashoka Empreendedores Sociais, uma fundação que apoia e colabora no aperfeiçoamento de ativistas desta natureza.
No início dos anos de 1990, aprofundei o foco de minha relação com a cultura indígena para o aprendizado e pesquisa de seus valores sagrados e sua cosmovisão.  Com o passar do tempo, tive a oportunidade de relacionar a síntese de minha experiência com os guarani com os estudos em valores humanos realizados com Sua Santidade o Dalai Lama – no Brasil, na França e na Índia - o que foi para mim um marco no entendimento mais profundo na questão do ser, de sua essencia e sua impermanência. 
Estudei a questão da ancestralidade e das culturas ancestrais do Brasil de modo empírico e fiz o curso de formação Holística de Base, na Unipaz (Universidade Holística da Paz). Foi assim que pude extrair conteúdos com enfoque centrado no auto-conhecimento, na sabedoria ancestral e na ecologia profunda a partir da investigação dos saberes tradicionais das raízes culturais do Brasil.
As vivências e seminários que realizo pelo Brasil e também em alguns países da América e da Europa possuem a característica de utilizar uma cosmovisão ancestral como base e inspiração para trabalhar o desenvolvimento consciencional do indivíduo, de sua relação com a diversidade, com o meio em que vive, com suas raízes e com seus projetos de futuro. Em paralelo á isso, atualmente o foco do empreendedorismo social está na educação, através de um esforço para oferecer uma pedagogia inclusiva, que eduque para o desenvolvimento de aptidões cooperativas, criativas e não discriminativas; que possam refinar o jovem em valores humanos, ética e caráter.

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…